Vídeos

Loading...

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Novo índice pode substituir o IMC


Os cientistas desenvolveram uma nova fórmula capaz de medir se uma pessoa está acima do peso sem a necessidade de subir em uma balança. A medida, batizada de Índice de Adiposidade Corporal (BAI), é a divisão da circunferência do quadril pela altura menos dezoito, que resulta no percentual de gordura corporal. Segundo a pesquisa, essa seria uma alternativa diferente ao índice de massa corporal (IMC), medida usada por médicos a mais de 200 anos.
Um índice não substituirá o outro. Eles podem ser utilizados ao mesmo tempo. Atualmente, o IMC é utilizado para comparar populações, definir prescrição de medicações.
Apesar do IMC cometer falhas e não ser tão eficaz para representar a situação de atletas ou crianças, lembra se que ela não é a única forma de medida. Temos também a avaliação clínica do especialista e a medição da circunferência do abdome e do quadril.
De acordo com os pesquisadores essa fórmula ainda precisa de ajustes.

O IAC (Índice de adiposidade corporal)
O novo índice está sendo chamado de IAC (índice de adiposidade corporal), ou BAI em inglês e a fórmula é um pouco complicada de se calcular já que usa uma equação com raiz quadrada e duas medidas que são: a circunferência do quadril e a altura da pessoa. Com esses valores chega-se à porcentagem de gordura da pessoa.


Calculo do IAC (fórmula)
%de gordura corporal = circunferência quadril (cm) / altura (m) x [raiz quadrada da altura] - 18
"A fórmula conseguiu prever com precisão a gordura corporal nos casos acima de 20%; nos casos de gordura de 25% a 30%, a precisão foi total, erro de 0% na estimativa. Apenas nos casos de adiposidade abaixo de 10% a equação não foi tão precisa, indicando um erro de 17,4% a mais de gordura.
De acordo com os autores do estudo, a fórmula ainda precisa de ajustes e deve ser testada em outros grupos étnicos. Eles acreditam que o método poderá ser utilizado em locais com acesso limitado à infraestrutura de saúde pública, sem uma balança, por exemplo. [Citação da Veja]".

0 comentários: